terça-feira, 15 de abril de 2014

10 ANOS

* Esse texto foi adaptado do texto publicado pelo Renato Essenfelder (http://blogs.estadao.com.br/renato-essenfelder/2014/03/17/conselhos/). Mudei algumas coisinhas e não transcrevi outras para que ele refletisse mais a realidade minha e da Clara.

Filha,

você está com 10 anos agora. Que idade bonita. Não é nem muito criança nem grande demais para se fechar em si mesma. Os mistérios do mundo continuam aí, à sua frente, e você ainda é sensível a eles.
Continua no ar a magia das assombrações, a magia que não tocamos nem vemos, mas que se percebe ao nosso redor. Continua o medo do escuro, e você correndo para a minha cama antes que eu possa impedir. Tem ainda fresca a tela infinitamente colorida da imaginação, mas também já descobriu a pequenina e poderosa lâmpada da razão, sabe onde está a luz do livre pensar. Já sabe respirar fundo e atravessar a rua – a rua, filha, tão assustadora rua, que parecia infinita e intransponível ainda ontem, mas que logo você vai dominar. Dá os primeiros passos no teu próprio caminho.
Queria te dizer umas palavras, filha, e registrá-las aqui para que não possam nunca se perder. Guarde com você, de todas as formas. Mesmo quando brigarmos, quando amar e odiar tudo misturado ao mesmo tempo – a mim e ao mundo –, quando o horizonte se alargar até sangrar a vista e você chorar diante de tantas opções que não acabam nunca: tenha estas palavras perto de você.


Eu queria te dizer o óbvio, meu amor, porque pouca gente enxerga ou diz o óbvio hoje em dia, e é importante lembrarmos das pequenas coisas. Eu queria que você cultivasse a vida inteira muito bom senso, inclusive para me contrariar. Isso resolverá mais da metade dos teus conflitos. Um pouco de bom senso (equilíbrio e capacidade de se colocar no lugar dos outros) antes de falar, agir, condenar, e você terá mais paz em tudo.
As provas, filha, são quase sempre meio bobas. As provas de matemática, português, todas elas. Adoro quando você tira dez nelas, é claro, mas prefiro que você seja feliz, e que tire dez na vida. Os prêmios, aqueles de bom comportamento, ou a opinião boba dos outros, elogios de quem mal te conhece, essas coisas não valem quase nada. Esteja em paz consigo, goste de quem você é, orgulhe-se de si, e não de coisas circunstanciais como uma nota ou um desenho ou o elogio de um estranho, e você vai ser bem mais feliz.

Mas o que eu queria dizer mesmo é isto: o melhor da vida é a vida. Pode parecer uma bobagem, e perdoe a redundância. O melhor da vida é a vida, é tudo o que está vivo, Clara. Quando eu digo isso, digo que você não se aborreça nem se encante com objetos. Nada do que não tem vida merece muita estima: nem roupas nem sapatos nem esmaltes nem maquiagens nem carros nem a mobília que a gata arranhou nem a bolsa ou camiseta daquela marca famosinha. O mundo tem milhões de tudo isso e, a não ser que esses objetos nos remetam a pessoas e memórias especiais, eles são bobos.O melhor da vida são os seres vivos, trate-os bem. Estou falando das suas amigas, da família, mas também dos animaizinhos e das plantas. Cuide de tudo o que tem vida. Você pode ter todas as roupas do mundo e não curtir mais do que um sorvete comigo à tarde (poucas coisas são tão boas quanto estar com você na tarde de um dia qualquer).
Trate bem as pessoas. Se você puder ajudar alguém, ajude. Às vezes um gesto que não lhe custa muito pode mudar a vida de alguém. 
Mas também não se sacrifique demais, isso não é bom.
Ponha-se em primeiro lugar, sempre, no sentido de procurar estar bem antes de fazer o bem. Alguns vão torcer o nariz e podem dizer que isso é egoísmo, mas não ligue. Lembra das instruções do avião? Eles dizem que, se caírem máscaras de oxigênio do teto, você deve pôr a sua antes de ajudar a pessoa ao seu lado. Eu quero que você seja assim na vida: quando faltar ar, cuide primeiro da sua reserva, e depois imediatamente faça tudo o que puder para ajudar as pessoas à volta. Sem o seu próprio ar você desmaia, filha, e não ajuda ninguém.
E lembre-se: seja gentil. Mesmo que o mundo não seja gentil com você. Mesmo que ele te bata, atropele e esmague sem que você se dê conta. Você não precisa revidar à altura, não precisa quebrar a cara do mundo – até porque isso é impossível, ele é muito grande e disforme, e você é só uma garota. Mas você vai levantar, sempre. Você sempre vai levantar, não importa a altura do tombo, e vai seguir em frente sem confundir o buraco com o chão, a parede com o horizonte. Não ache que o mundo é horrível porque há tantos horrores nele. Não perca a perspectiva das coisas. Um dia é só um dia, e você terá uma vida longa pela frente. Aprenda com seus erros e siga adiante.
Não se preocupe, também, se não alcançar o pico da montanha. Não se cobre demais, não se exija demasiado. Não seja nem medíocre nem paranóica. Dê o seu melhor e vá descansar. É justo.
Não é só do alto da montanha que a vista é bonita. Desde o chão a gente pode achar flores – lembra  de como o chão te fascinava quando era pequena? Cada pedra de cor diferente, cada trevo ou florzinha ou pedacinho de papel! Coisas tão especiais e tão cheias de significado em um simples passeio pela praça!  
Esqueça “certo” e “errado”. Não sinta culpa por mais de um dia. Viva com amor e alegria, seja justa e equilibrada (jamais “boazinha”). Cuide do teu corpo e cabeça, não faça nada estúpido para se enturmar com pessoas estúpidas. (Lembre: bom senso.)
A vista é bonita durante boa parte da caminhada. Se não for, transforme-a. Se não puder, apresse o passo. Chore, se for preciso, e não tenha vergonha disso. Só não fique parada.
Seja otimista, porque no fim tudo dá certo, sempre.

Eu te amo muito minha princesa. A única coisa que realmente desejo é que seja feliz. Tão feliz quanto eu me sinto desde que você chegou em minha vida.

quarta-feira, 31 de julho de 2013

CASTIGO


Theo ganhou o primeiro castigo da sua vida. Me batia enquanto eu enxugava e vestia ele depois do banho. Quanto mais eu tentava explicar o porquê de não se bater nos outros, cheia de paciência e psicologia, mais ele me enchia de bordoada. Eis que nem a minha paciência nem o meu conhecimento de psicologia infantil são tão grandes assim e eu resolvi partir pra boa, velha e condenada ameaça:


            -       Theo, se você continuar me batendo vai ganhar um castigo!

            -       Eu quero ganhar um castigo.

            -       Você sabe o que é um castigo? É uma coisa ruim, uma coisa que a gente não gosta.


Nem bem a mãe termina a explicação, ganha mais uma destemida, desafiadora e sonora bofetada.
     
          
           -     Pronto Theo, você vai ganhar o castigo que queria. Vai ficar sem livrinho antes de dormir.


A reação à sentença variou da já esperada birra (“Mas eu quero livrinho, eu quero, eu quero, eu quero.”), à completa negação dos acontecimentos (“Obaaaa!!!!! Agora é hora de ver livrinhoooo!!! Pega um livrinho pra gente, mãe?"). E assim foi por dez ou quinze minutos até que eu:


        -    Theo! NÃO vai ter livrinho porque esse é o seu castigo. Você entendeu agora o que é um castigo?


Filho com beicinho trêmulo, lágrimas nos olhos, mostrando que não só decorou as palavras da mãe, mas, de fato, entendeu o que significavam:


           -       É uma coisa ruim, que a gente não gosta.


Mãe sem beicinho trêmulo, mas com lágrimas nos olhos, um aperto no coração e muita vontade de ler um livrinho pro filho pensa que é muita sacanagem ter que ensinar essas coisas pros seres que a gente mais ama no mundo.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

SOBRE AS COISAS QUE FAÇO


COISA 1
Meu filho de 1 ano precisa me ter por perto. Fica bem na casa das avós, gosta de passear e adora estar com outras crianças. Mas, quando estamos em casa, tem que estar ao meu lado. Precisa o tempo todo do meu sorriso, da minha atenção, do meu colo, das musiquinhas que eu canto a das brincadeiras que invento. E eu, o que faço? Eu paro. Paro de ler, paro de ver TV, paro de tentar ver alguma coisa no computador, paro de arrumar a casa, paro de dormir, paro de comer, paro de querer fazer qualquer outra coisa que não seja ficar com ele. E por que faço isso? Faço porque ele tem 1 ano. Faço porque acredito que crianças de 1 ano tem mesmo a necessidade de ter a mãe bem pertinho sempre que puderem. Faço isso porque acredito que quanto mais atenção eu der quando ele solicitar, mais seguro, feliz e preparado para enfrentar as separações e frustrações da vida ele vai ficar.


COISA 2
Minha filha de oito anos tem dificuldades pra dormir sozinha. Requer a minha presença todas as noites e precisa que eu esteja bem juntinho dela pra que, enfim, relaxe e durma. E o que eu faço? Deito na cama dela e fico lá até ela dormir, ou, então, deixo ela dormir comigo quando o pai não está em casa. Já admiti que, dificilmente, conseguirei ter aquele “tempinho só pra mim”, que só é possível depois que as crianças dormem, porque, mesmo comigo ao lado, ela demora pra pegar no sono e eu, cansada, acabo dormindo antes dela. E por que eu faço isso? Porque sei que com oito anos o mundo ainda nos parece muito assustador e são tantas questões e inseguranças e transformações que devem deixar sua cabecinha de pensamento rápido e inteligente confusa e amedrontada. E acredito que a melhor forma de resolver isso é estar ao lado dela, dando conforto, segurança e amor.


MAIS EXPLICAÇÕES 
Mas não é só por isso. Na verdade, faço essas coisas e outras mais, principalmente, porque sinto que estou agindo certo. Antes de qualquer leitura sobre o assunto, de qualquer racionalização ou imposição, sinto, instintivamente, que estou fazendo o que deveria fazer. Além disso, faço também por mim, já que adoro estar com eles. Me sinto feliz, tranquila, realizada. E tenho total consciência de que, muito antes do que se possa imaginar, eles vão estar independentes, dando conta de suas vidinhas e não vendo graça nenhuma em ter a mãe por perto o tempo todo. Então, enquanto eles estão me dando essa chance, eu aproveito mesmo. Se é certo? E pode ser errado quando todo mundo fica feliz no final?

sexta-feira, 22 de junho de 2012

FOOD NAZI


O video fez parte de um especial do dia das mães. O carinho, o amor, a doação e a tolerância das mães em relação aos filhos, assim como toda a magia que ronda a maternidade, eram elementos altamente desejáveis e esperados por todos. E eis que eu me revelo, praticamente, a soup nazi da alimentação infantil. "Não querem a dobradinha com quiabo que a mãe preparou pra vocês?! Então, NO FOOD FOR YOU. Passem fome". O pior é que não tenho muito pra falar em minha defesa. Sou meio que assim mesmo. Nunca me comovi muito com esse negócio de criança que não quer comer. Nunca achei que meus filhos fossem morrer de fome ou ficar doentes caso pulassem uma refeição por pura birra. E sempre achei que os pais são totalmente responsáveis pela formação dos hábitos alimentares das crianças. Então, procuro fazer a minha parte e isso inclui ser meio intolerante as vezes. Isso não quer dizer que meus filhos não comam docinhos e outras porcariazinhas gostosas de vez em quando. O importante pra mim é que eles conheçam de tudo e criem o costume de experimentar e comer coisas diversas e saudáveis, sem preconceito e sem fazer cara feia.


Para ver o video, clique aqui

quinta-feira, 10 de maio de 2012

8 ANOS


E então você tem uma filha. Bem pequerruchinha, linda e fofa, que precisa de você pra absolutamente tudo. Você adora essa situação e paralisa toda a sua vida só pra cuidar daquela coisinha amada. Mas, volta e meia, sente uma pontadinha de vontade de que ela cresça rápido e se torne um pouco mais independente. Só que o rápido acontece muito mais rápido do que você imagina. De repente, você se vê com rugas, pelancas, toda embarangada e mãe de um ser de 8 anos. E você, que já achava que estava com a vida ganha agora que sua filha tinha se tornado uma criança educada, carinhosa, interessada e respeitadora, começa a rever os seus conceitos e a desconfiar que a primeira etapa da educação do indivíduo, na qual você foi aprovada com louvor, seja, talvez, a mais fácil de todas. Porque quando os filhos atingem oito anos, seus métodos educacionais, aparentemente, são postos a prova. Tudo aquilo que parecia ter funcionado tão bem até então, começa a não ter validade alguma. Além disso, é nessa idade que as crianças começam a achar que tem o direito de ter vida própria. Oi, como assim, filho tendo vida própria? É, eu sei, deveria ser proibido, mas não é e acontece. Devemos estar preparadas. E quando é chegada essa hora, é preciso repensar, rever as estratégias, ter muita paciência e estudar tudo mais a fundo. E quando eu digo estudar é estudar mesmo. Vale livro, internet, enciclopédia, qualquer coisa. O importante é que você tenha um conhecimento mais aprofundado antes de brigar, pedir, comentar, sugerir ou até elogiar. Porque absolutamente nada vai ser acatado sem que haja, antes, muita argumentação. Porque aos oito anos, a sabedoria e a beleza da pessoa (segundo as próprias crianças de oito anos) atingem seu ápice. E o que os amigos e os personagens dos seriadinhos de TV pensam, dizem ou fazem é sempre bem mais interessante do que as coisas que os pais têm pra falar. E é aí que a gente faz de conta que foi acometida da mais terrível crise de perda de memória recente e fica repetindo os mesmos conselhos, histórias, previsões e prognósticos assustadores, na esperança de que alguma coisa entre naquelas cabecinhas que insistem em demonstrar que não estão nem aí praquela falação toda. E é aí que você se lembra de como sua mãe fazia igualzinho e você achava a coisa mais chata do mundo, porque você já tinha entendido muito bem o recado e concordava com ela e achava que ela só podia te achar uma imbecil-desmiolada pra pensar que um dia você iria fazer coisa parecida ou se tornar algo parecido com aquela catástrofe que ela anunciava. Mas você acha que a metodologia da encheção de saco, aplicada por sua mãe, nem te traumatizou tanto assim e talvez até tenha surtido algum efeito e, na falta de um conhecimento mais aprofundado sobre a mente dos quase pré-adolescentes, você segue com a mesma técnica. E é nesse momento que você tem saudades do tempo que suas grandes preocupações eram se sua filhotinha iria dormir a noite inteira ou iria se comportar bem no restaurante. Mas, loucamente, você olha praquela menina linda, que, apesar de seus momentos de rebeldia e deslumbramento, te abraça, te faz massagem, te conta histórias, que é a sua melhor companhia, que é capaz de falar e fazer tantas coisas legais e que é tão cheia de bons valores e a saudade fica só na saudade mesmo. Saudade boa e não saudosismo que entristece. E a expectativa do que vem pela frente, em vez de assustar, te anima, te enche de perspectivas e te enche de coragem e entusiasmo. E você se sente o ser mais feliz e privilegiado do mundo por poder participar tão de perto das descobertas, decepções, questionamentos, rebeldias, alegrias, da construção, enfim, de uma pessoa.

segunda-feira, 30 de abril de 2012

EU ME ACHANDO

Olha eu, me achando toda importante porque estou com post lá no MMqD. E devo me achar mesmo. Aquele lugar é muito legal e especial. Brigada meninas!

quinta-feira, 15 de março de 2012

HÁ UM ANO

No ano passado, o dia nove de março era quarta-feira de cinzas. Saí cedo da cama, ansiosa porque o carnaval tinha acabado e eu poderia fazer as tantas coisas que ainda me restavam fazer para receber o Theo, que deveria nascer em, aproximadamente, vinte dias. Planos interrompidos por um trabalho de parto que se iniciava naquele momento. Algumas horas mais tarde, o filho vem ao mundo, pequerrucho de tudo, mas completamente saudável, trazendo muita, muita felicidade, pois finalmente estava entre nós depois de ser muito desejado e aguardado. Mas como mãe é chegada em um draminha e gosta de achar que só se sentir feliz é muito pouco, resolvi sentir, também, muita preocupação, incerteza e medo. E eu, que, mãe experiente, achava que estaria livre desses sentimentos nefastos no nascimento do meu segundo filho! Afinal de contas, não ia mais existir o sofrimento da mudança de status (de filha para mãe, de recém casada, que tem o trabalho como principal ocupação e não tem hora pra nada para alguém que vai viver em função de outro alguém que, por sua vez, exige regras, rotinas e horários bem definidos). Pois é. O problema é que, quando se trata de filho e maternidade, a gente nunca tem experiência o suficiente. Ter uma pessoinha que depende infinitamente de você nos braços vai ser sempre uma situação nova, feliz e amedrontadora. O pavor do desconhecido, da responsabilidade, da mudança de uma vida que já estava certa, esquematizada e feliz me tomou mais uma vez e eu me encontrei quase tão angustiada e apavorada quanto fiquei depois do nascimento da minha primeira filha.  A sorte é que segundo filho parece que já chega dizendo: "ai, quanta besteira! Criar um filho é bem mais fácil e divertido do que você fica aí, imaginando. Me dá amor que tudo vai dar certo." E isso é fácil. Amar um filho é a coisa mais fácil que existe. E muito fácil é, também, deixar que ele entre na nossa vida, tome conta dela e vire tudo de cabeça pra baixo. Fácil é largar emprego, mudar convicções, redefinir objetivos e prioridades,  deixar de jantar com o marido e sair com as amigas. E muito mais fácil é se acostumar com a nova situação que a presença de um filho (seja ele primeiro, segundo, terceiro,...) traz e se identificar e amar tanto essa situação que acabamos achando que essa é a única maneira de ser feliz. Tudo isso é, realmente, tão fácil que a gente tem que cuidar pra não deixar tudo, tudinho de lado e viver única e exclusivamente com os filhos e para os filhos. Porque é essa a vontade que temos.
Então, obrigada filho. Obrigada por esse ano maravilhoso em sua companhia. Obrigada por fazer com que eu vivenciasse, mais uma vez, momentos e sentimentos inexplicavelmente bons. E obrigada por permitir que eu aprendesse que eu nunca vou ter vivenciado o suficiente a ponto de não me emocionar profundamente com esses momentos e sentimentos e senti-los com tanta intensidade quanto da primeira vez.


EM UM ANO ...


isso...





virou isso...





REGISTRO PRA POSTERIDADE

Com um ano o Theo:
  • tem quatro dentes (dois em cima e dois embaixo)
  • come muito bem e de tudo, desde banana até salada de rúcula
  • dorme (ou dormia?) muito bem (de uns dez dias pra cá, deu pra chorar por volta das quatro da manhã e acordar de vez em torno das 5:30)
  • fala mamãe, papai, Clara, Chiara, luz, pomada e imita cachorro, gato, passarinho, coruja e porquinho. Porém, se você não for da família ou não tiver um membro da família por perto para servir de intérprete, talvez tenha alguma dificuldade de perceber que os sons que saem da sua boca referem-se, de fato, a essas palavras
  • adora passear e joga beijos e dá tchauzinho quando alguém pega ele no colo, especialmente se esse alguém for o vovô
  • estala a língua quando vê a Dinda e balança a cabeça de um lado pro outro, cantando ah, ah, ah, ah quando vê a Bisa
  • adora a irmã e chama por ela várias vezes durante o dia
  • engatinha e sobe a escada com uma habilidade impressionante e anda, segurando nas nossas mãos, com uma desabilidade impressionante
  • fica muito brabo quando está com sono na hora das refeições
  • adora enfiar o cachorrinho de brinquedo na nossa cara pra gente fazer "au, au, au"
  •  canta e dança de um jeito muito fofo, balançando a cabeça pra um lado e o corpo pro outro
  • não gosta de ficar sozinho com pessoas desconhecidas
  • fica extremamente revoltado quando a comida acaba antes de acabar sua fome (ou sua gula)
  • mexe em tudo que não deve e já quebrou dois objetos de vidro em casa
  • adora andar de elevador e ver os números passando no visor. Fala algo muito parecido com "seis", que é o andar do apartamento da vovó, quando está dentro de um
  • é feliz, simpático, grande, pesado (10 kg e 77,5cm), cheio de energia e dá muita dor nas costas e muita, muita, muita alegria pra quem está por perto

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

NA INGLATERRA EU...

... viajei muito
... andei muito
... tive uma vida bem mais simples e absolutamente deliciosa
... percebi como, no Brasil, estamos pessimamente mal acostumados com uma violência estúpida, sem sentido e exagerada
... comprovei que, infelizmente, as coisas ruins que muitas vezes pensamos serem exclusivas do nosso país estão bem mais disseminadas do que imaginamos
... estive junto com meu marido e meus filhos e à disposição deles como nunca tinha estado antes e isso me fez sentir feliz, tranquila e realizada como poucas vezes na vida
... descobri (e foi um alívio!) que eu e meu marido não dependemos de muita ajuda externa para dar conta das nossas vidas e das dos nossos filhos. Porém, ainda que não precise, necessariamente, da ajuda das pessoas que tanto me ajudam quando estão por perto, preciso, desesperadamente, da companhia, amizade e carinho delas
... comprovei que minha filha é muito especial, cheia de desprendimento, maturidade e capaz de encarar qualquer desafio com muita coragem e atitude
... descobri que meu filho é um companheirão, de bem com a vida e pronto pra qualquer uma
... passei a admirar ainda mais meu marido. Tenho hoje, mais do que nunca, total consciência de que ele me ajuda muito, facilita muito a minha vida e faz coisas que eu odiaria e, provavelmente, teria muita dificuldade de fazer
... aprendi que ir é ótimo, desde que eu volte sempre.


Vidinha tranquila em uma cidadezinha da Inglaterra.
Saudades...

domingo, 1 de janeiro de 2012

A RETOMADA, A SONECA E A MÃE QUE QUERO SER

Nada melhor para o primeiro dia do ano do que um post novo. Ainda mais quando eu já tinha até colocado uma lápide em cima do blog. Considerava ele mortinho. Uma morte precoce, mas já esperada, uma vez que nunca se dedicou a ele muita atenção e cuidado. E partiria do mesmo modo que levou sua breve existência: discretamente, praticamente no anonimato, sem causar grandes comoções. Mas eis que me deu vontade de falar só mais uma coisinha. E eis que a vontade aconteceu justamente quando eu tinha tempo livre. O que é coisa cada vez mais rara, principalmente agora que eu resolvi aproveitar meus poucos momentos livres de uma outra maneira: dormindo.


- Ohhhhhh! Como assim, dormindo?
- Bem assim mesmo.
- Mas dormindo no meio do dia, em hora que não é pra dormir?
- Sim. No meio da manhã, pra ser mais específica.
- E isso é coisa que se faça? Uma mãe, com dois filhos, com casa pra cuidar, com roupa pra lavar e com comida pra fazer?
- Se é coisa que se faça eu não sei, só sei que é coisa que eu faço.
- E não sente vergonha na cara.
- De jeito nenhum. Sentiria até pouco tempo atrás, mas cansei de estar sempre cansada. Decidi que era melhor ser uma mãe que dorme no meio da manhã do que uma mãe que mal se aguenta em pé e chega no final do dia torcendo pra que os filhos e o marido esqueçam da sua existência.

Esse foi o diálogo que tive com a minha consciência assim que decidi por em prática meu projeto de dormidas matinais. Venci a danada e agora sigo assim: continuo fazendo tudo o que fazia: arrumo a casa, lavo louça, guardo louça, ponho roupa na máquina, tiro roupa da máquina, faço almoço, dou banho, tomo banho (muito importante), ajudo no banho, ajudo na lição, pego filha na escola, faço suco, corto fruta, dou lanche na boquinha, canto musiquinha, faço pocotó, aviãozinho, piui-tchá-tchá e bambalalão, brinco de faz de conta, conto historinha, vejo um pedaço do filme, durmo no outro pedaço. A diferença agora é que, depois do agito da manhã, depois que a Clara foi pra escola e o marido foi trabalhar, depois que o Theo mamou, fez cocô, brincou, comeu fruta, fez cocô de novo e começou a ficar chatinho, cheio de sono, pronto pra dar mais uma dormidinha, em vez de colocar ele no berço e sair correndo pra maratona da arrumação, vou junto com ele pra cama. Ficamos um tempo conversando, fazendo carinho um no outro (apesar de eu ainda ter dúvidas se ele quer mesmo me agradar ou quer arrancar metade da minha bochecha, furar meu olho e tirar meu cérebro pelo buraco do nariz) e logo pegamos no sono. E a guardação e lavação, que antes estavam finalizadas as dez horas da manhã, ficam pra depois. E se não der tempo hoje, ficam pra amanhã. E se não der tempo de ler e escrever no blog, fica pra depois de amanhã. Quando acordamos, cerca de uma hora depois, ainda conseguimos brincar mais um pouquinho, aproveitando o fraco solzinho do inverno inglês, que de vez em quando ainda dá as caras por aqui. Acho que, com isso, dei mais um passo em direção a construção da minha identidade de mãe, o que, certamente, contribui pra que eu me sinta mais confortável, confiante e em paz comigo mesmo nesse papel que ainda parece novo pra mim (sim, porque depois de quase oito anos exercendo essa função posso dizer que ainda não sei exatamente que tipo de mãe sou, devo ser ou quero ser). Um passo talvez ainda mais libertador do que o primeiro que considero ter dado na mesma direção, que foi o do “yes, I can”. Depois daquelas milhões de dúvidas e incertezas sobre minha capacidade como mãe, foi muito bom descobrir que eu posso. Posso cuidar, com muito amor e paciência, de um ser completamente dependente e indefeso, posso trabalhar muito o dia inteiro, a semana inteira, o mês inteiro e continuar cuidando e dando muito amor para ele, posso ficar a noite toda acordada do lado dele dando remédio, mamadeira, copo d’àgua, colinho, carinho ou a mão, posso ficar doente e continuar fazendo tudo isso, posso brincar, ensinar, educar, conversar, levar, buscar, alimentar, beijar, apertar, amassar. E agora, com o segundo passo, sei que, mesmo tendo dois serzinhos desses em casa, também posso descansar. Essa seria, então, a fase do “yes, I could”. Eu poderia estar limpando a casa/ passando a roupa/ descascando a  batata pro almoço/ me atualizando sobre a situação da Síria/ lendo sobre psicologia e desenvolvimento infantil antes que ele acorde ou ela volte da escola. Sim, eu poderiiiiia. Mas hoje não vou fazer nada disso. É essa mãe que quero ser: capaz de amar muito, fazer qualquer coisa para os filhos e passar muito tempo juntinho deles, mas que, ao mesmo tempo, sabe que não estará amando menos nem sendo menos importante como mãe e como pessoa se conseguir reconhecer suas fraquezas e fazer concessões quando necessário e adequado. Sei que é tudo muito dinâmico nessa vida de mãe e as necessidades minhas e dos meus filhos muito em breve não serão mais as mesmas. Mas o importante é ir se adequando e fazendo o que manda o nosso bom senso. Agora, por exemplo, o meu bom senso diz que um soninho seria muito necessário e adequado. Noite anterior muito mal dormida, dias de muita atividade, casa mais ou menos organizada e ninguém precisando de mim. Theo, dá um espacinho aí na cama pra mamãe! E no fim, o que eu iria escrever nesse post acabou não sendo escrito. Vai ter que ficar pra amanhã (ou pra depois).



Theo brincando no solzinho depois de um soninho gostoso ao lado da mãe.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

CADA UM NO SEU RITMO

Estavam, Theo e mamãe, bem contentes no seu mundinho. Alheios ao que acontecia à sua volta. Bebês nasciam, bebês cresciam, bebês aprendiam a segurar coisas, a engatinhar, a andar, a falar. O Theo aprendia algumas coisas também e mamãe curiosa, mesmo sabendo que isso é coisa perigosa de se fazer, comparava seu progresso com as informações encontradas na internet. E se dava por satisfeita. Porque, apesar de recorrer à sabedoria de google, sabia que bebês são diferentes uns dos outros, cada um se desenvolve em um ritmo, alguns atingem certos marcos antes, outros depois e etc. e tal. Tudo muito consciente e cheio de bom senso e tolerância. Até que.... mamãe e Theo saem do seu mundinho e resolvem encarar uma aula de estimulação para bebês. O pai inscreve eles na turma de 6 a 18 meses e a mãe apoia incondicionalmente: “Imagina!!! Na turma de 0 a 6 meses só vai ter bebezinho que não sabe fazer nada. É claro que o Theo, meu filho, tem que ir pra turma dos maiores”. Chegando lá, são alertados que se trata de uma turma de crianças um pouco mais velhas e que talvez não seja adequado para o Theo, mas era preciso avaliar antes, porque cada bebê é diferente, cada um se desenvolve em um ritmo, etc e tal. A mãe, com cara de madura e bem resolvida, concorda com tudo que a moça diz, mas pensa, tomada de satisfação: “Até parece que o Theo não vai dar conta, haha. Essa mocinha não conhece meus filhos. Então ela acha que alguma vez na vida, seja no Gymboree (a tal da aula em que estávamos) ou na aula de física quântica, um deles vai ter que regredir, voltar para o nível inferior?. Faça me rir”. A mocinha ainda pergunta se ele “moves a lot”, e a mãe responde prontamente: “yessss, a lot!!!”. Juntam-se, então, às outras mães e começam a brincadeira. Itsy bitsy spider, aviãozinho, tudo muito legal. Até que todas se levantam, seguram seus bebês pelos bracinhos e botam as criaturinhas para caminhar em círculos pelo salão. Mas Theo não fica em pé. Aliás Theo se recusa até mesmo a encostar seus pezinhos no chão. Levanta suas perninhas e faz sua “caminhada” pendurado nos braços da mamãe, que finge que está tudo muito normal e continua andando arcada apesar do filho estar flutuando, sentado no ar como um pequeno buda que levita a alguns centímetros do chão. “Pois bem”, pensa a mãe, “essas crianças já são bem maiores, já devem ter mais de um ano. É por isso que elas estão assim, firminhas, parando de pé, andando”. Todos sentam e vão brincar com as bolas. Theo senta apoiado na mãe, cambaleando pra lá e pra cá e não brinca com bola nenhuma, porque caso ele tire as mãozinhas do chão ele capota. E como é muito sábio esse guri, ele fica lá, com as mãozinhas bem grudadinhas no chão, só observando a bebezada se divertindo e começa a achar a coisa já não mais tão interessante assim. Mamãe começa a achar a mesma coisa e entende que o “move” ao qual a mocinha se referia não era um simples sacudir frenético de braços e pernas e sim algo muito mais coordenado, elaborado e com objetivo definido. Do nosso lado, o Oscar, um bebê grandinho, todo fortinho, que engantinha pra lá e pra cá e vai atrás de todas as bolas, se encanta com o Theo. Só quer ficar do lado dele, passar a mão no rosto dele, pegar na mão dele. Mamãe que sabe muito bem que comparações são proibidas quando se trata de desenvolvimento infantil, porque bebês são diferentes uns dos outros, cada um se desenvolve em um ritmo, alguns atingem certos marcos antes, outros depois e etc. e tal., não resiste e resolve comparar: “Quero ver quanto tempo tem esse bebê que sabe fazer um monte de coisas. Deve ter quase um ano, com certeza”. Vira-se para a mãe de Oscar e, sorridente, comenta: “Oh, que bonitinho. Quanto tempo ele tem?”. E a reposta: “Seis meses”. Acabou o sorriso. Acabou a tolerância. Acabou a sensatez e a compreensão das diferenças, que aliás é muito mais fácil de ser praticada quando o nosso filho está por cima da carne seca. Daí pra frente Theo, que já tinha começado a desconfiar que aquilo ali não era ambiente para ele, resolve se tornar o chorão da turma. Coloca no chão ele chora, levanta ele chora, bota de barriga pra baixo ele chora, canta musiquinha ele chora. A mãe sente-se desamparada e perdida, mas não deixa que esses sentimentos ruins tomem conta dela e, imediatamente, bola um plano que a faz sentir muito melhor: nada mais de lavar louça, arrumar a casa, lavar roupa. Seus dias agora serão inteiramente dedicados a fazer do Theo um Oscar. Exercícios com bola, chocalhos, pandeiros, de barriga pra cima, de barriga pra baixo, de pé. Telefona para o marido e revela a descoberta: “o Theo é praticamente uma amebinha”, e a solução: “precisamos nos empenhar para que essa situação mude”. Vai buscar a filha mais velha na escola e recebe a notícia que ela recebeu mais um prêmio. “Competitivos são os ingleses não eu”, pensa a mãe, muito orgulhosa da filha mas lembrando o quanto repudia esse negócio de estrelinhas, pontos e eu-sou-melhor-que-você. Começa a recobrar a sanidade e, na volta pra casa, já vai desistindo de por em ação seu plano BOPE de treinamento para bebês. A noite, depois de dar a mamadeira, olha praquela coisa pequenina, careca e sorridente e fica muito feliz por ele ter apenas seis meses, por ele mal saber sentar ainda, por ele caber inteirinho no seu colo. Lembra que tudo tem seu tempo e deseja que esse tempo demore pra passar, porque depois não tem volta. Dia seguinte, vão os dois felizes para aula dos bebês de 0 a 6 meses e se divertem muito.